Cuidados com o copo na balada

Faço um alerta às mulheres que tem o hábito de freqüentar bares noturnos, festas e baladas em geral. Preste extrema atenção na narrativa de uma vítima e tire suas próprias conclusões: ”Meu nome é L.G.M. sou advogada, tenho 33 anos e moro em São Paulo....

983

Faço um alerta às mulheres que tem o hábito de freqüentar bares noturnos, festas e baladas em geral. Preste extrema atenção na narrativa de uma vítima e tire suas próprias conclusões:

”Meu nome é L.G.M. sou advogada, tenho 33 anos e moro em São Paulo. No dia 17 de Julho de 2001, sai por volta das 20h, sozinha, para um barzinho próximo a Praça Panamericana, região de Pinheiros. Lá, eu deveria encontrar umas amigas, porém por algum motivo nos desencontramos. Lembro-me muito vagamente de ter conversado com um homem muito educado que se aproximou e sentou em minha mesa. Aproximadamente 3:30 da madrugada eu acordei em uma casa abandonada, na zona leste. Minha cabeça doía e eu estava zonza. Não tinha a mínima idéia de como havia chegado ali. Notei que minhas roupas estavam espalhadas pelo chão. Percebi então que estava nua. Fui ficando assustada ao entender o que tinha acontecido. Ao tentar-me vestir constatei que minhas coxas e virilha estavam meladas. Desabei a chorar. Compreendi que tinha sido estuprada. Deu-me vontade de morrer. Tudo me passou pela cabeça: AIDS, gravidez… Levei uns minutos pra por a cabeça no lugar. Vesti-me e dirigi-me imediatamente para a delegacia da mulher onde fiz exame de corpo de delito. O médico legista constatou o estupro. A polícia diz que com este já são 11 casos semelhantes na zona sul de são Paulo. Eles imaginam ser um homem de boa condição financeira, pois em nenhum dos casos foram roubados cheques, cartões de credito ou coisas de valor. Ele age sempre as sextas-feiras ou sábados à noite. A polícia praticamente não tem nenhuma pista. Eles acham que o individuo aborda sua vítima, sempre sozinha, com boa conversa e num momento de descuido misturam a sua bebida uma droga a base de calmantes e barbitúricos que tem o efeito de deixá-la fora de si. A partir dai, fica fácil conduzi-la para onde quiser. Desde o ocorrido, estou fazendo terapia, para tentar pelo menos amenizar os efeitos psicológicos e somente decidi contar o meu drama para alertar as mulheres que tem o hábito de sair à noite, desacompanhada”.

Entrevistei muitas jovens que tem o hábito de se divertir a noite em diversas capitais brasileiras. Várias comentaram que tem realmente receio que alguém coloque algum tipo de medicamento ou droga em suas bebidas.
A estratégia preventiva é não perder de vista, um segundo sequer, o copo. Pude notar que já é comum encontrar mulheres que não descansam mais o copo sobre a mesa ou balcão de um bar. Elas preferem segurar o copo o tempo todo e ainda colocam a mão encima do bocal, para evitar que estranhos introduzam drogas em suas bebidas.
É meu dever neste site alertar pais e filhos do ingresso de uma nova droga que esta sendo distribuída em festas, bares e casas noturnas.
Sua primeira aparição se deu na Europa e agora, infelizmente chegou ao Brasil. O nome dela é “EasyDate” e o leitor perceberá o porquê desse nome.

Algumas características já foram identificadas:

  1. Ela apresenta-se na forma de pó branco que, uma vez dissolvido em qualquer líquido, atua em cinco a sete minutos no sistema nervoso central do usuário. Ela é incolor, e não tem qualquer gosto.
  2. Ela age ao nível do pré-consciente e transforma a pessoa que a tomar num escravo perfeito; tem como efeito secundário, apagar da memória tudo o que se fez, disse ou sentiu durante o tempo de atuação que se prolonga durante sete a oito horas.

Uma estudante de 24 anos, residente na cidade de Araçatuba-SP, foi vítima dessa nova droga. Ela foi convidada por uma amiga a ir a uma casa noturna. Bebeu algumas caipirinhas, dançou e diz que não se recorda de nada. Só se lembra de acordar no dia seguinte, sozinha, na cama de um quarto de motel. É importante que o amigo leitor tenha ciência de algumas orientações preventivas que devem ser divulgadas a seus filhos:

  1. Numa discoteca, festa ou bar, jamais abandone seu copo. Mantenha-o sempre a vista, a sua frente.
  2. Se por uma questão de distração, seu copo ficou “sozinho”, por alguns segundos ou minutos, não de sorte ao azar, prefira pedir outro drink.
  3. Não peça para terceiros, pegar sua bebida no bar. Solicite seu drink diretamente, para não correr risco desnecessário.
  4. Entre amigos, vigiem-se uns aos outros.
  5. Muito cuidado com estranhos de ambos os sexos. Lembre-se que as aparências enganam.
  6. Os primeiros sintomas físicos de quem ingeriu essa nova droga são: suor excessivo e o rosto fica avermelhado. Se um dos seus amigos tiver estes sintomas, não o deixe sozinho. Levem-no imediatamente para um hospital.

Uma mãe, ao descobrir que seu filho fumava maconha, tentou explicar o ocorrido a uma amiga: “É por causa dos carros. Atualmente a juventude pode ir a bailes e lugares distantes, longe de nossos olhos. No nosso tempo não era assim, não é verdade?”. A amiga não usou meias palavras: “Certamente, íamos o mais longe que podíamos”.
Diversos jovens estavam descontentes com a péssima qualidade da cerveja caseira servida pelo dono do botequim. Eles resolveram despejar um pouco da cerveja em uma garrafa e enviaram o líquido para um laboratório especializado para descobrir o que havia na cerveja. Após uma semana receberam o resultado do exame: “Seu cavalo está com icterícia”.


Dê sua opinião