COBRAR HONESTIDADE E INTEGRIDADE SOMENTE DOS OUTROS NÃO ADIANTA.

É muito fácil cobrar dos outros procedimentos éticos e morais, principalmente numa fase em que políticos, empresários e personalidades de classe social abastada são processados e presos por corrupção e tantos outros crimes. Por outro lado, é preciso olhar para o próprio umbigo no que...

402

É muito fácil cobrar dos outros procedimentos éticos e morais, principalmente numa fase em que políticos, empresários e personalidades de classe social abastada são processados e presos por corrupção e tantos outros crimes.

Por outro lado, é preciso olhar para o próprio umbigo no que tange a ofertar bons exemplos no dia a dia.

Fala-se muito da necessidade de deixar um Brasil melhor para nossos filhos, mas nossos filhos também deverão contribuir para que isso aconteça. Temos que ensiná-los, educá-los a serem íntegros, honestos, cumpridores de seus deveres e respeitadores do direito alheio para que usufruam de uma sociedade mais justa.

Não adianta dizer que o exemplo deve vir somente de cima, principalmente dos governantes, pois os mais jovens se espelham e modelam comportamentos daqueles que estão mais próximos.

Imagine um pai dizendo para o filho que beber e dirigir é perigoso, sendo que ele próprio pratica costumeiramente essa infração legal. E a mãe que não quer que o filho faça uso de cigarros mas que fuma sem parar na frente da prole.

Meu falecido pai tinha uma frase célebre que repetiu dezenas de vezes aos 3 filhos: “Se cada um fizesse a sua parte, teríamos uma família melhor, um bairro bacana para se morar, uma cidade mais civilizada para se viver e assim por diante”. É essencial que não sejamos omissos perante nossas responsabilidades junto àqueles que estão ao nosso redor.

Gostaria de pontuar algumas situações que muitos brasileiros estão acostumados a praticar. O leitor poderá refletir e tirar as próprias conclusões…

Muita gente na “Terra Brasilis” …

– Saqueia cargas de veículos acidentados nas estradas;

– Estaciona nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas ou em frente a entrada de garagem alheia;

– Suborna ou tenta subornar quando é pego cometendo algum tipo de infração;

– Troca voto por qualquer coisa: cargo, dinheiro ou algum tipo de vantagem pessoal;

– Fala no celular enquanto dirige;

– Trafega pela direita nos acostamentos durante congestionamento e assim leva vantagem sobre os demais motoristas;

– Parar em filas duplas ou até triplas em frente as escolas para não ter que andar algum metros a mais;

– Viola a lei do silêncio sem se importar com o vizinho;

– Dirige após consumir bebida alcoólica e diz pra todo mundo que tem plenas condições;

– Fura filas nos bancos utilizando-se das mais esfarrapadas desculpas;

– Pega atestado médico sem estar doente para faltar ao trabalho;

– Faz “gato” de luz, de água e de tv a cabo como se isso fosse a coisa mais normal no mundo e ainda se vangloria para os amigos;

– Compra recibo para abater na declaração do imposto de renda;

– Muda a cor da pele para ingressar em universidade através do sistema de cotas;

– Quando viaja à serviço da empresa, se o almoço custou 10 pede nota fiscal de 20;

– Estaciona em vagas exclusivas para deficientes: “ Mas foi só por cinco minutinhos ”;

– Adultera o velocímetro do carro para vender por melhor preço;

– Compra produtos contrabandeados com plena consciência de que são piratas e ainda propaga que pagou preço baixo;

– Frequenta caça-níqueis e faz uma fézinha no jogo de bicho;

– Leva das empresas onde trabalha pequenos objetos como clipes, envelopes, canetas, lápis… Como se isso não fosse algo absolutamente normal;

– Quando volta do exterior nunca diz a verdade ao fiscal aduaneiro quando questionado sobre o que traz na bagagem;

– Quando encontra algum objeto perdido, na maioria das vezes, não devolve, pois “achado não é roubado”.

Apesar de tudo isso, exigem que os que possuem cargos no governo sejam honestíssimos e íntegros com o dinheiro público.

Mas quem foi que depositou o voto na urna?

JORGE LORDELLO

 


Dê sua opinião