LORDELLO ENSINA COMO CONDOMÍNIOS DEVEM RECEBER MERCADORIAS DELIVERY COM SEGURANÇA.

Atualmente, uma das funções mais comuns em condomínios residenciais é a recepção de entregas em domicílio, o popular “ delivery ”. Cada vez mais se compra através da internet e aplicativos para smartphones. Evidentemente, todas as encomendas desaguam na portaria. A intenção deste artigo é aprofundar...

341

Atualmente, uma das funções mais comuns em condomínios residenciais é a recepção de entregas em domicílio, o popular “ delivery ”. Cada vez mais se compra através da internet e aplicativos para smartphones. Evidentemente, todas as encomendas desaguam na portaria. A intenção deste artigo é aprofundar o assunto de forma a facilitar a estruturação, com foco em segurança, de controles dessa atividade.

Dessa forma, vou estabelecer alguns princípios fundamentais no recebimento do delivery:

1) O morador deve comunicar a portaria sobre a contratação do serviço de entrega em domicílio. O ideal, é que o condômino avise o porteiro com os seguintes dados:

  • Horário ou período do dia aproximado que a entrega vai chegar
  • Especificar o produto que irá receber
  • Nome da empresa da qual fez a encomenda

Observação Importante: Toda vez que o morador avisar a portaria sobre recebimento de mercadoria, facilitará e agilizará o trabalho dos porteiros

2) Não deve ser permitido que o entregador suba até o apartamento do morador. Devemos evitar a circulação de pessoas estranhas no edifício.

Algumas exceções podem ocorrer, principalmente em duas situações:

  1. Entrega de compras de supermercado, cujo volume costuma ser grande
  2. Recebimento de mercadoria de grande porte, que precisa ser transportada até a unidade pelo entregador

Nesses casos, o ideal é que o morador ou empregado doméstico acompanhe todo o processo de entrada da mercadoria. A presença física do zelador ou outro funcionário (por exemplo, o rondista) também é importante para aumentar o nível de segurança

Temos ainda o morador acamado, que não tem condições físicas de descer até a portaria para receber. Se não tiver empregado doméstico, o ideal é que o recebimento seja feito por algum funcionário do prédio, que irá providenciar a entrega na casa do morador doente.

3) O recebimento da mercadoria na portaria pelo morador ou empregado do condomínio não deve ser feita de forma direta.

A estratégia é evitar contato físico com o entregador. A sugestão, é criar no próprio portão de entrada ou no gradil, espaço para que a mercadoria seja transferida de fora para dentro, sem necessidade de abertura do portão. O ideal, é que esse passa volumes adaptado seja lateral, quando houver espaço, pois assim o morador poderá receber a mercadoria tranquilamente, mesmo se outro morador desejar sair ou entrar no prédio. O pagamento em dinheiro ou mediante maquininha de débito, deverá ser realizado da mesma forma.

4) Jamais o porteiro deve deixar a guarita para receber encomenda na ausência ou impossibilidade do morador.

Muitos arrastões foram engendrados se utilizando a estratégia do “falso entregador”. A única maneira segura de o porteiro receber mercadorias em total segurança é trabalhar em guarita blindada, com adaptação na alvenaria de passa volumes feito de aço balístico. Alguns prédios, mesmo sem possuirem portaria com blindagem arquitetônica, se utilizam desse recurso, aumentando um pouco o nível de segurança, no entanto, não se pode confiar plenamente.

5) Se o morador não avisar da entrega delivery e não estiver no apartamento quando da chegada do entregador, não é recomendável o recebimento da mercadoria pela portaria.

Muitos prédios adotaram essa regra de segurança pois muitas invasões a edifícios começaram através do golpe da “falsa entrega”.

Alguns síndicos recomendam que o porteiro tente contato com o morador através do celular. Caso não consiga, a entrega não será aceita.

É importante que o leitor entenda que o porteiro não pode garantir sozinho a segurança do local. É preciso que os moradores e funcionários das unidades façam sua parte, pois segurança não pode ser totalmente delegada.

O condômino deve entender que os porteiros não são seus funcionários e sim colaboradores do condomínio. Não existe relação trabalhista entre os moradores e funcionários do edifício. Porteiros e moradores devem seguir as regras normatizadas pela administração, sendo que exceções e favores pessoais não devem ser aceitos pois fragilizam a segurança.

6) Câmeras de vigilância devem estar bem posicionadas para capturar imagens de todo o processo de entrada de mercadorias, pessoas e veículos.

A expressão popular, de autoria do filósofo chinês Confúcio, “ a imagem vale mais que mil palavras ”, é utilizada para transmitir a idéia do poder da comunicação através das imagens. Seu significado está relacionado com a facilidade em se compreender determinada situação a partir do uso de recursos visuais ou a facilidade de se explicar algo com imagens ao invés de palavras (sejam escritas ou faladas). Imagens servem para inibir e fiscalizar, como também para dirimir dúvidas quando problemas acontecem.

CONCLUSÃO FINAL:

O controle de entrada de mercadorias no condomínio é algo sério e que precisa ser normatizado pela administração. Todas as exceções devem ser contempladas para que não hajam dúvidas por parte dos moradores nem dos funcionários da guarita. Todas as regras e orientações devem estar contidas no manual de normas e procedimentos de segurança do condomínio.

  

                                                                                              JORGE LORDELLO


Dê sua opinião