O importante não é ter, é saber usar

Toda semana, um idoso fazendeiro tomava um trem para ir à cidade depositar em um banco o produto da colheita. Ele procedia assim havia muitos anos. No final da tarde retornava no mesmo trem. Na viagem de volta também era rotineira a presença de um...

310

Toda semana, um idoso fazendeiro tomava um trem para ir à cidade depositar em um banco o produto da colheita. Ele procedia assim havia muitos anos.

No final da tarde retornava no mesmo trem. Na viagem de volta também era rotineira a presença de um professor universitário, que aproveitava a viagem para ler algum livro ou corrigir provas. Com isso, ele se distraía e não sentia o tempo passar.

Numa dessas viagens, o professor esqueceu sua pasta na escola e ficou sem ter com o que se distrair. Resolveu então puxar conversa com o velho fazendeiro que ele sempre via no trem. Depois de dizer seu nome, acrescentou:

“Sou professor universitário, tenho cinco diplomas, falo seis idiomas e sou muito viajado; conheço todos os continentes. E o senhor, quem é?”

Após também dizer seu nome, o ancião acrescentou:

“Puxa, eu não completei nem o primário”.

O professor, vendo que entre eles não seria possível uma longa conversa, sugeriu uma brincadeira para passar o tempo:

“Eu lhe faço uma pergunta e o senhor me faz uma pergunta. Quem errar paga um real para o outro”.

O homem retrucou:

“Ah, não acho justo! Como eu tenho pouco conhecimento, se eu errar eu lhe pago um real. Mas se o senhor, que tem muito conhecimento, errar, aí o senhor me paga dez reais”.

Assim acertaram e o idoso pediu para fazer a primeira pergunta:

“O que é, o que é que tem dez metros de comprimento, pesa dez quilos, tem capacidade para transportar dez pessoas e dá a volta ao mundo em dez dias?”

O professor pensou, pensou, mas não teve jeito de achar a resposta.

“Então me pague os dez reais”, disse o velhinho, estendendo a mão.

O professor pagou e, percebendo a perspicácia do oponente, disse:

“Sendo a minha vez de perguntar, eu devolvo a mesma pergunta ao senhor: o que é essa coisa que o senhor me perguntou? ”

O professor se surpreendeu com a resposta:

“Eu também não sei”, e estendendo a mão, completou: “Aqui está o seu um real”.

Amigo leitor, o que vale não é a quantidade de conhecimento que temos, mas o que somos capazes de fazer com o pouco de conhecimento que tivemos a oportunidade e condições de receber.


Dê sua opinião