Proposta para o leitor no dia de Natal

Certo dia, Mahatma Gandhi fez a seguinte pergunta a seus discípulos: “Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?” A resposta foi um tanto óbvia: “Gritamos porque perdemos a calma” O religioso indiano replicou: “Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu...

247

Certo dia, Mahatma Gandhi fez a seguinte pergunta a seus discípulos: “Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?” A resposta foi um tanto óbvia: “Gritamos porque perdemos a calma” O religioso indiano replicou: “Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado?”. “Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça”, explicou outro aluno. E o mestre volta a perguntar: “Então não é possível falar-lhe em voz baixa?”. Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu Gandhi, que resolveu explicar: “Vocês sabem por que se grita com uma pessoa quando se está aborrecida? O fato é que quando duas pessoas estão aborrecidas seus corações se afastam muito. Para cobrir essa distância precisam gritar, para poderem escutar-se mutuamente. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro através da grande distância. Por outro lado, o que acontece quando duas pessoas estão enamoradas? Elas não gritam. Falam suavemente. E por quê? Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. Às vezes estão tão próximos seus corações, que nem falam, somente sussurram. E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, e basta. Seus corações se entendem. É isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas”. Todos os jovens ouviam o mestre com extrema atenção e ao final ele concluiu: “Quando vocês discutirem, não deixe que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta”.

Amigo leitor, estamos a algumas horas da celebração do Natal. Além da farta comida, dos presentes, da festa ao redor da mesa, devemos aproveitar a propícia ocasião e exercitar o dom do perdão. Se você porventura está magoado com alguém que lhe é próximo; se discutiu ferozmente dias atrás com pessoa que tem estima, se faz tempo que não procura parente ou amigo por causa de briga ou fofoca, aproveite esse momento mágico que o Natal oferece e perdoe, peça desculpa, releve, apazigue… enfim, amoleça seu coração um tanto enrijecido. Agora, se você passou o ano reclamando da falta de sorte, acreditando que o mundo conspirou contra ti e por muitas vezes gritou e esbravejou com Deus, por acreditar que Ele te abandonou, chegou o momento de o amigo leitor se curvar de joelhos, fazer uma prece, uma oração com bastante fervor e ao final as pazes com o Pai, pois é isso que ele espera de seus filhos neste dia tão belo, onde comemoramos o nascimento do filho do Senhor.


Dê sua opinião