Você acha que equipamento de segurança “É tudo a mesma coisa” ?

E O “PREÇO BAIXO”, VOCÊ ENTENDE QUE É O DIFERENCIAL NA HORA DA COMPRA?  Muita gente, por querer aumentar o nível de segurança patrimonial, sai correndo atrás de produtos físicos e eletrônicos. No entanto, uma questão muito importante deve ser analisada: Qual a melhor solução...

233

E O “PREÇO BAIXO”, VOCÊ ENTENDE QUE É O DIFERENCIAL NA HORA DA COMPRA?

 Muita gente, por querer aumentar o nível de segurança patrimonial, sai correndo atrás de produtos físicos e eletrônicos. No entanto, uma questão muito importante deve ser analisada:

Qual a melhor solução para a vulnerabilidade que lhe preocupa?

Será que todos os equipamentos são iguais ou parecidos e por isso tem o condão de solucionar meu problema?

Óbvio que não, mas o leigo, porque geralmente pensa que é “tudo a mesma coisa”, o que não é verdade, acaba escolhendo pelo preço mais convidativo, ou seja, o mais baixo.

Uma pergunta não quer calar:

Em que momento o comprador irá descobrir que adquiriu mercadoria errada?

Descobrirá em duas oportunidades apenas:

1)    Quando o sinistro acontecer

2)    Quando o equipamento parar de funcionar ou passar a apresentar constantes defeitos

Recentemente, um amigo me procurou porque estava com dificuldade na proteção do portão principal de sua casa. Ele narrou que ao sair de férias com a família no ano passado, bandidos abriram com chave mixa(falsa) a porta da frente de sua casa e em seguida, através de uma janela, ingressaram na residência e subtraíram muitos pertences.

Na tentativa de minimizar risco, ele resolveu comprar uma corrente grossa e amarrá-la junto ao portão com cadeado.

O problema, é que adquiriu 3 cadeados em 1 ano e 3 meses e os 3 apresentaram problemas de funcionamento idênticos, ou seja, os ganchos, também chamados de hastes, em formato de U, passaram a sair do corpo do cadeado.

Indaguei os preços dos cadeados adquiridos e a resposta foi:

-Primeiro cadeado custou R$ 55

-Segundo cadeado custou R$ 73

-Terceiro cadeado custou  R$ 92

A conclusão é simples: ele já tinha investido R$ 210 e o problema perdurava, colocando em risco o patrimônio e a integridade da família

Comentei que os cadeados adquiridos, além dos defeitos que apresentaram, também eram vulneráveis em três aspectos:

  1. a) Facilidade em se fazer cópias das chaves em qualquer chaveiro em poucos segundos
  2. b) Apresentação de vulnerabilidade no tocante ao sistema de abertura, pois com a utilização de chave micha (falsa) um criminoso com certa habilidade pode abrir o sistema com certa rapidez
  3. c)    Poderiam ser abertos mediante força com utilização de objeto robusto, como o pé de cabra

A preocupação do amigo aumentou com esses esclarecimentos e, claro, pediu minha orientação.

Cadeados devem ter a finalidade de bloquear ou impedir o acesso a uma determinada área promovendo, assim, controle de acesso e segurança ao patrimônio. O cadeado é uma espécie de fechadura portátil, podendo ser utilizado para trancar mais de um objeto ou área. Os cadeados são constituídos basicamente de corpo, gancho e chave, sendo que cada um possui uma chave própria, de modo que apenas seu proprietário possa acioná-lo.

NBR 15271, de 07/2013, trata especificamente de cadeados fixando requisitos mínimos exigíveis para fabricação, segurança e funcionamento de cadeados acionados por chave. Prescreve os métodos de ensaios a serem executados nos cadeados, simulando, por meio de ensaios mecânicos (laboratório), utilização prolongada para verificação da durabilidade dos componentes e os esforços a que podem ser submetidos se sofrerem tentativa de arrombamento.

Todo cadeado deve trazer escrito, em destaque, na principal face de sua embalagem, o seu respectivo tipo. O tipo de cadeado está diretamente relacionado à principal matéria prima utilizada para a fabricação do corpo.

Encontramos cadeados com diversas matérias primas, tais como:

-Cobre

-Zinco

-Aço

-Plástico e Polímeros

-Ferro Fundido

-Alumínios e suas Ligas

Com essa breve explicação, o leitor agora sabe que cadeado “não é tudo a mesma coisa”. O mesmo posso dizer dos demais equipamentos de segurança físicos e eletrônicos. Antes de adquirir, é essencial observar a qualidade, durabilidade, garantia e, principalmente, o grau de segurança que irá implementar em seu prédio, casa, loja ou empresa.

Alerto ainda em relação às marcas que chamo de “ching-ling”, que entram no Brasil de forma ilegal e são vendidas a preços convidativos, mas não são confiáveis, quando o tema é segurança.

Após essas considerações, indiquei ao amigo a compra de cadeado de alta segurança, com as seguintes características:

– Cilindros com pinos telescópicos de altíssima precisão e pinos móveis na chave, proporcionando a máxima segurança.

– Cópias de chaves controladas somente com autorização do cliente.
– Material de alta resistência contra diversas formas de arrombamentos.

– Sistema de travamento por cilindros e não pinos, como encontramos na maioria dos produtos

– Resistência à compressão e tração superior a 4 toneladas

– Haste em aço

– Proteger contra arrombamentos e uso de chave “mixa”, pois o cilindro de abertura possui codificação computadorizada.

altíssima resistência à corrosão e ao marretamento.
– Possui uma extensão de seu corpo limitando o acesso ao elo, deixando ainda menores as chances de uma tentativa de arrombamento

Depois de uma semana, recebi telefonema do amigo dizendo que estava encantado com a aquisição e agora sentia-se plenamente seguro quanto a proteção do portão principal da casa onde mora com a família.

Ao final, ele fez o seguinte relato:

“Paguei R$ 650 no cadeado de alta segurança que me indicou. A qualidade é completamente diferente dos outros que havia adquirido e que apresentaram vários problemas de funcionamento. Agora me sinto seguro e com a certeza que vou ter este equipamento por muitos e muitos anos sem apresentar defeito. Obrigado Lordello pela orientação; estou muito satisfeito com o investimento que fiz para a segurança de minha família”.

Lembre-se que “preço” é o que o cliente paga e “valor” é o que o cliente leva.

Não adianta adquirir produto na área de segurança com preço baixo, se não agregar valor no tocante a minimização de riscos.

Preço é identificado pela etiqueta.

Valor se define como o grau de satisfação entre expectativas e necessidades que são atendidas por um produto ou serviço.

Portanto, preço é o que se paga e valor o que se leva para casa.

E a decisão é sempre do comprador. Mas quando se compra errado, não adianta chorar o leite derramado, basta calcular os prejuízos e assumir a responsabilidade pela reparação, quando possível.


Dê sua opinião