Você é responsável por tudo que faz na internet

Imagine receber nas redes sociais a seguinte oferta: “Troque uma nota verdadeira por 5 falsificadas de boa qualidade”. Essa proposta de negócio aconteceu na Baixada Santista/SP, no início de julho/2015, e está sendo investigada pela Polícia Federal. O falsificador explica a transação: “A troca de...

248

Imagine receber nas redes sociais a seguinte oferta:

“Troque uma nota verdadeira por 5 falsificadas de boa qualidade”.

Essa proposta de negócio aconteceu na Baixada Santista/SP, no início de julho/2015, e está sendo investigada pela Polícia Federal. O falsificador explica a transação:

“A troca de notas pode ser feita via Correios, com a cobrança de frete ou presencialmente. O pagamento pode ser efetuado com depósito ou transferência bancária”.

Muitos internautas têm o seguinte raciocínio:

“Se está na internet é legal, pois trata-se de “mundo virtual”.

Esse pensamento é absolutamente equivocado, pois delitos cometidos na rede mundial de computadores são materializados no “mundo real” , portanto, regidos pelas leis penais vigentes.

Recentemente, a jornalista da Rede Globo, Maria Julia Coutinho, tratada carinhosamente por Maju, foi vítima de ofensas racistas e preconceituosas na página do Facebook do Jornal Nacional. A polícia civil já instaurou inquérito policial para localizar os autores, que responderão por crimes graves.

Infelizmente, é comum internautas destilarem veneno contra pessoas públicas, de seu rol de amizades e também contra desconhecidos, simplesmente por discordar de qualquer comentário.

No dia 25/06/2015 caíram nas redes sociais e whatsapp fotos e vídeo do embalsamento de Cristiano Araújo, que morreu tragicamente em virtude de acidente de trânsito.

Os responsáveis já foram identificados pela polícia e indiciados formalmente em razão de crime de vilipêndio de cadáver.

O leitor deve ficar atento, e assim evitar problemas, quanto a determinados produtos oferecidos para venda na internet. É o caso, por exemplo, dos armamentos não letais usados pelas polícias e agentes de segurança privada, como o “spray pimenta” e a “pistola taser”, ambos proibidos, pois são produtos controlados pelo exército brasileiro, cosequentemente, quem vende, compra, porta ou usa, poderá ser responsabilizado criminalmente.

Amigo leitor, antes de compartilhar ou curtir um vídeo ou foto com imagens ofensivas contra a honra e a dignidade de alguém ou proibidas de serem exibidas, pense duas vezes para não se tornar réu. Controle a fúria quase insana de dizer o que pensa sobre algumas pessoas, pois os delitos de injúria, calúnia e difamação valem também para as ofensas propaladas na internet.

A maioria esmagadora das pessoas é contra a pedofilia, mas tem internauta que ao receber vídeo erótico com criança ou adolescente, repassa imediatamente para todos os seus amigos virtuais.

A sensação de anonimato ao usar a rede mundial de computadores é falsa; por meio do IP (protocolo da internet) é possível se descobrir de qual máquina (pc, tablet e smartphone) foi enviada determinada mensagem.


Dê sua opinião