ALGUNS SÍNDICOS, POR DESCONHECIMENTO, PENSAM QUE SEUS PRÉDIOS SÃO SEGUROS, MAS, NEM TODOS SÃO!!!

Quando vou a festas  e eventos, é comum que pessoas me abordem para falar sobre segurança, principalmente em relação a condomínios residenciais. E foi o que aconteceu recentemente! Estava no lançamento de um livro no Shopping Higienópolis, quando um senhor, que aparentava cerca de 70 anos,...

291

Quando vou a festas  e eventos, é comum que pessoas me abordem para falar sobre segurança, principalmente em relação a condomínios residenciais.

E foi o que aconteceu recentemente! Estava no lançamento de um livro no Shopping Higienópolis, quando um senhor, que aparentava cerca de 70 anos, disse acompanhar meus comentários sobre criminalidade na televisão desde o fatídico caso Isabela Nardoni. Em seguida, comentou que era síndico há 17 anos de um prédio nas proximidades e que se orgulhava de o local nunca ter sofrido invasão de bandidos.

Imediatamente perguntei:

“ Mas o condomínio onde o senhor mora e administra há quase 2 décadas tem segurança confiável e efetiva? ”

A resposta foi rápida:

“ Claro que sim. Acabei de lhe dizer que meu edifício nunca sofreu assalto à mão armada ”.

Apesar de gentil, ele não gostou muito quando fiz outra colocação:

“ O fato de o prédio nunca ter sido alvo de bandidos armados não representa que seja seguro para se morar ”.

Ele insistiu que o condomínio tinha nível de segurança razoável, e eu retruquei:

“ O que o senhor entende por Segurança Razoável? ”

Me respondeu através de indagação interessante:

“ Lordello, quais os níveis de segurança que um prédio pode ter na sua opinião? ”

O papo estava ficando interessante, então, fiz a seguinte colocação:

“ Condomínios residenciais e comerciais podem ser avaliados quanto ao nível de segurança da seguinte forma:

  1. Excelente Nível de Segurança
  2. Bom Nível de Segurança
  3. Nível de Segurança Mediano
  4. Nível de Segurança Baixo
  5. )Nível de Segurança Baixíssimo

Após ofertar essa explicação, reperguntei:

O senhor que é sindico há tanto tempo desse prédio, qual nível de segurança ele se encontra?

O administrador engasgou, pensou por alguns segundos, não quis perder a pose e respondeu:

“ De acordo com sua escala, posso garantir que o nível de segurança do meu edifício é bom. Sei que tem algumas falhas, mas acredito serem poucas ”.

“ Quais são as falhas que o senhor aponta? ”

“ São apenas detalhes. Como lhe disse no início da conversa, nunca tivemos assalto ”.

A conversa estava esquentando e fiquei curioso em saber das “ pequenas ” vulnerabilidades que ele mencionou. Assim, fiz algumas perguntas para tentar avaliar, mesmo à distância, o nível de segurança do edifício do simpático síndico:

“A guarita do seu prédio é blindada? ”

“ Não “

“ Possui pelo menos passa volumes? ”

“ Não, mas tenho clausura de pedestres ”.

“ Como o porteiro libera a entrada de moradores e domésticos? ”

“ Meus funcionários são próprios e estão no prédio há mais de 10 anos, por isso conhecem todo mundo, de cabo a rabo ”.

“ A entrada da garagem possui 1 ou 2 portões? ”

“ Somente 1 portão, pois como o prédio é antigo, não tem espaço para instalar o segundo portão e formar a clausura. Essa é realmente uma deficiência ”.

“ Quem aciona o portão automático para abertura do único portão da garagem? ”

“ O morador aciona com controle remoto ”.

“ O sistema de controle remoto do seu prédio é analógico ou digital? ”

“ Lordello, não sei qual a diferença entre esses dois modelos ”.

“ Se não sabe a diferença, é porque o senhor tem o sistema antigo, que permite facilmente a clonagem ”.

“ Seu prédio possui normas e procedimentos para a área de segurança? ”

“ Claro que sim, todo edifício tem que ter normas e procedimentos ”.

“ Há quanto tempo essas normas não são revisadas ou complementadas ”.

“ Há muitos anos ”.

“ Quantos anos mais ou menos? ”

“ Faz muito tempo, por isso não me recordo ”.

“ A administração tem cadastro atualizado dos moradores, respectivos veículos e dos empregados domésticos? ”

“ Para ser honesto, os moradores não colaboram e por isso o cadastro é falho ”.

Depois dessa bateria, refiz uma pergunta inicial:

Responda com sinceridade, qual nível de segurança do seu condomínio atualmente, tendo em vista o crescente avanço da criminalidade?

Mesmo um pouco constrangido, o síndico respondeu:

“ Bem, depois da bateria de perguntas que você me fez, acho mesmo que a segurança do meu prédio é mediana ”.

Neste momento da conversa, resolvi ser mais incisivo:

“ O senhor vai me desculpar, mas de acordo com suas respostas, o nível de segurança do prédio em que mora e administra é baixíssimo ”.

O síndico não gostou do que ouviu e replicou:

“A segurança do meu prédio pode não ser a ideal, mas dizer que é baixíssima acho exagero, pois você não conhece o condomínio, poxa ”.

Peguei então meu smartphone e solicitei o endereço completo do edifício. Ele arregalou os olhos e forneceu.

Imediatamente abri o aplicativo “Maps”, inseri o endereço e em poucos segundos eu tinha à minha disposição toda a fachada do prédio. Com os dedos na tela, fui aumentando a imagem e percorri toda a extensão frontal.

Após 1 minuto analisando as imagens, ofertei o seguinte diagnóstico:

“ Eu estava certo; por vários motivos, seu prédio tem baixíssimo nível de segurança. Vou citar somente alguns: ”

  • A guarita é antiga, da época que o prédio foi criado e não sofreu nenhum ajuste ou remodelação.
  • A clausura de pedestres está ultrapassada, não tem condições de evitar entrada de bandidos.
  • Observei na imagem o porteiro fora da guarita; erro gravíssimo para a segurança do edifício.
  • Provavelmente, os porteiros são amigos dos moradores; devem fazer favores pessoais para eles, o que desvia o foco da segurança.
  • A proteção por fios no perímetro é frágil e de qualidade duvidosa. Apostaria que não está funcionando; ele confirmou que realmente está com sérios problemas de funcionamento, principalmente alarmes falsos e assim resolveu desligar o sistema.
  •  O único portão da garagem é grande, provavelmente pesado, aumentando assim o tempo de abertura e fechamento.

O síndico permaneceu em silêncio com minhas observações. Se não retrucou nenhuma delas, é porque concordou com minha análise de risco virtual.

Para finalizar, deixei a seguinte mensagem:

“ Caro síndico, não caia na armadilha de deixar para segundo plano os investimentos que precisam ser realizados para que moradores e funcionários possam ter tranquilidade para morar e trabalhar. Da mesma maneira como uma pessoa que não está doente pode não ser saudável, o fato de seu prédio nunca ter sofrido assalto à mão armada não significa que tenha bom nível de segurança. Não espere o pior acontecer para melhorar a segurança do edifício ”.

O síndico agradeceu o bate-papo e prometeu que iria repensar toda a segurança do edifício que administra por quase 2 décadas.

Ficou claro para mim que era pessoa com pensamento reativo, ou seja, que toma atitudes depois de acontecer algum problema. Síndicos devem ser proativos, ou seja, agir antes que o sinistro aconteça, minimizando, assim, a possibilidade de riscos.

JORGE LORDELLO


Dê sua opinião