Atenção: novos golpes em caixas 24h

Principalmente nos finais de semana, quando as agências bancárias não contam com vigilantes armados nem funcionários para orientar clientes, é que os estelionatários estão ludibriando os correntistas desatentos. Pesquisei os golpes mais aplicados, atualmente, nessas circunstâncias. Preste atenção para não se tornar a próxima vítima:...

122

Principalmente nos finais de semana, quando as agências bancárias não contam com vigilantes armados nem funcionários para orientar clientes, é que os estelionatários estão ludibriando os correntistas desatentos. Pesquisei os golpes mais aplicados, atualmente, nessas circunstâncias. Preste atenção para não se tornar a próxima vítima: 1)Golpe da troca de envelope: o malandro percebe que a pessoa pega dentro da agência um envelope para depósito em dinheiro e nele coloca boa quantia. Acompanha-o, discretamente, até o caixa e se perceber que o cliente tem dificuldades para lidar com a máquina  o que é bastante comum ─ oferece auxílio. A rede foi jogada. O estelionatário o distrai e na hora de inserir o envelope na máquina, troca, rapidamente, o que contem o dinheiro, por outro, do mesmo banco, mas que está vazio. Somente mais tarde o cliente irá descobrir que o dinheiro depositado não caiu na sua conta. 2)Golpe do caixa lento: dupla de golpistas perambula por agências bancárias, tentando identificar algum cliente com dificuldades de manejar o teclado. Quando encontram, um deles se aproxima do correntista e diz que a máquina está com problemas e sugere que use a do lado. Quando o cliente sai daquele caixa esquece de apertar a tecla CANCELA. Imediatamente o outro golpista assume o caixa e subtrai o dinheiro da vítima. 3)Golpe do distraído: muitas pessoas têm o péssimo hábito de após preencher e colocar dinheiro nos envelopes para depósito em caixas eletrônicos, dar uma pausa para guardar os documentos, anotações de números de contas, etc. Costumam apoiar o envelope recheado no balcão. Os golpistas adoram isso. De imediato se dirigem ao cidadão e fazem uma pergunta qualquer. Na verdade, a intenção é fazer com que o cliente fique de costas ou de lado para o local onde apoiou o envelope. O cúmplice do malandro, discretamente, troca o envelope por outro com dinheiro falso ou pedaços de papeis colocados em seu interior. A vítima não percebe e faz o depósito. Dias depois receberá a triste notícia que seu depósito não foi confirmado. Portanto, amigo leitor, quando for utilizar caixas eletrônicos, não desvie sua atenção um segundo sequer. Assim se comportando, não figurará como vítima em boletim de ocorrência.


Dê sua opinião