CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIOLÊNCIA URBANA, O CRIME ORGANIZADO E O ATUAL PERFIL DOS MARGINAIS BRASILEIROS

O “raio x” da violência no Brasil mudou sensivelmente nos últimos 30 anos, basicamente em razão de 4 fatores: 1) Chegada do Crack no Brasil. A porta de entrada foi a cidade de São Paulo, por volta de 1989.  Essa droga potente e de alto...

433

O “raio x” da violência no Brasil mudou sensivelmente nos últimos 30 anos, basicamente em razão de 4 fatores:

1) Chegada do Crack no Brasil. A porta de entrada foi a cidade de São Paulo, por volta de 1989.  Essa droga potente e de alto poder viciante, surgiu nos EUA, na década de 80, nos bairros pobres de  Nova Iorque, Los Angeles e Miami. Consumidores foram atraídos pelo crack por dois fatores:

a) Preço bem inferior ao da cocaína refinada. Para produção do crack, os traficantes usam menos produtos químicos, tornando, assim, mais barato para o consumidor final.

b) Efeito intenso e parecido com a cocaína injetável, sem o risco de contaminação pelo vírus da Aids.

2) Epidemia e popularização do crack, juntamente com a entrada de outras drogas sintéticas em todo território brasileiro. O Ministério da Saúde estima que 2.5% dos brasileiros fazem uso regular do crack. O psicólogo Tauama de Moraes, estudioso do assunto, afirma que os usuários de crack convertem em pedra tudo que possuem, tais como carros, joias, propriedades, roupas, enfim, qualquer coisa que possa ser vendida, para manter o vício, ou seja, tudo acaba na lata, diz o profissional.

3) PCC – Primeiro Comando da Capital – Essa facção criminosa surgiu em 1993, no Centro de Reabilitação Penitenciária de Taubaté, no Vale do Paraíba, fundada por 8 presos. Na época, afirmavam que a finalidade era “combater a opressão dentro do sistema prisional paulista” e “vingar a morte dos cento e onze presos”, ocorrida em 02/10/92, no evento conhecido por “massacre do Carandiru“. Posteriormente, a facção mostrou a que veio e passou a atuar no tráfico de drogas e armas. Atualmente, o PCC já estaria enfronhado em todos os estados brasileiros e atuando também em 6 países da América do Sul

4) Proliferação de Facções Criminosos em Presídios: o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) acredita haver no país cerca de 30 organizações criminosas, com atuação dentro e fora dos presídios. Muitos especialistas em sistemas carcerários dizem que esse número é subestimado, que pode chegar a 83 organizações no Brasil, a maioria com atuação estadual e local. Segue relação:

1) PCC – Primeiro Comando da Capital – atua nos 27 Estados brasileiros

2) CV – Comando Vermelho com forte atuação, no RJ, em Roraima, Rondônia, Acre, Pará, Amapá, Tocantins, Maranhão, Ceará, Bahia, Espírito Santo, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso do Norte

3) FDN – Família do Norte, com atuação em Amazonas, Roraima,  Rio Grande do Norte e Pará

4) TCC – Terceiro Comando da Capital (SP, RJ)
5) CRBC – Comando Revolucionário Brasileiro da Criminalidade (SP)
6) CDL – Comando Democrático da Liberdade (SP)
7) Seita Satânica – (SP)
8) PCMS – Primeiro Comando do Mato Grosso do Sul (MS, ligada ao PCC)
9) Manos (MS, RS)
10) TC – Terceiro Comando (RJ, BA)
11) ADA – Amigos dos Amigos (RJ, CE, ES)
12) IDI – Inimigos dos inimigos (RJ)
13) Amigos de Israel (RJ)
14) Bonde dos 40 (AM, PI)
15) Primeiro Comando do Norte (AM, RR, CE
16) 300 Espartanos (AM)
17) Primeiro Comando da Mariola (RR)
18) Equipe Rex (PA)
19) Bonde dos 30 (PA)
20) Comando Classe A (PA)
21) GDA – Gangue da Ponte (AP)
22) Primeiro Comando do Maranhão (MA)
23) Bondinho da Ilha (MA)
24) Primeiro Grupo do Estreito (MA)
25) B40 – Bando dos 40 (MA)
26) ADM – Anjos da Morte (MA)
27) COM – Comando Organizado do Maranhão (MA)
28) Bonde dos 300 (MA)
29) PCM – Primeiro Comando de Campo Maior (PI)
30) PCE – Primeiro Comando de Esperantina (PI)
31) Facção Criminosa de Teresina (PI)
32) Guardiões do Estado (CE)
33) PCN – Primeiro Comando de Natal (RN)
34) SDC – Sindicato do Crime (RN, PB)
35) Al-Qaeda (PB)
36) Estados Unidos (PB)
37) Comando Norte/Nordeste (PE)
38) Firma (AL)
39) PCM – Primeiro Comando Metropolitano (SE)
40) Comando da Paz (SE, BA)
41) Bonde do Maluco (BA)
42) DPM (BA)
43) MPA (BA)
44) Bonde do Ajeita (BA)
45) Katiara (BA)
46) Comando da Perna (BA)
47) Caveira (BA)
48) Comando Mineiro de Organizações Criminosas (MG)
49) PJL – Paz, Justiça e Liberdade (MG)
50) Primeiro Comando Mineiro (MG)
51) Primeiro Comando das Minas Gerais (MG)
52) Milícias (RJ)
53) Povo de Israel (RJ)
54) Primeiro Comando de Vitória (ES)
55) CJVC – Comando Jovem Vermelho da Criminalidade (SP)
57) Gaviões da Fiel (SP)
58) Cerol Fino (SP)
59) Comissão Democrática da Liberdade (SP)
60) PGC – Primeiro Grupo Catarinense (SC)
61) PCRV – Primeiro Crime Revolucionário Catarinense (SC)
62) CL – Comando Leal (SC)
63) Serpente Negra (SC)
64) PL- País Livre (SC)
65) PGO – Primeiro Grupo de Oposição (SC)
66) FRC (Força Revolucionária Catarinense)
67) Bala na Cara (RS)
68) Os Tauras (RS)
69) V7 (RS)
70) Os Abertos (RS)
71) Unidos Pela Paz (RS)
72) CPC – Comando Pelo Certo (RS)
73) Amigos Leais (RS)
74) Primeiro Comando do Paraná (PR)
75) Primeiro Comando da Liberdade (MS)
76) Grupo G (MS)
77) PLD – Paz, Liberdade e Direito
78) Bad Boys (MT)
79) Baixada Cuiabana (MT)
80) Comando Verde (MT)
81) Amigos Leais (RO)
82) Crime Popular (RO)
83) Bonde dos 13 (AC)

(Fonte: Carta Capital Jan/2017)

Portanto, em pouco tempo a marginalidade de uniu, somou forças, angariou territórios, expandiu negócios ilícitos para fora das fronteiras brasileiras, assassinou policiais e membros do poder judiciário, passou a usar artefatos explosivos e armamentos de guerra, sem se preocupar com a morte de civis inocentes. Não podemos esquecer da implantação de toque de recolher e paralisação de cidades através do medo e terror generalizado.

Com esse novo quadro criminal no Brasil, podemos estabelecer 3 perfis de criminosos:

a) Amador: são jovens marginais, que não estudam nem trabalham e praticam, diariamente, furtos e assaltos. Os objetos mais desejados são celulares, bolsas femininas, relógios e joias, carros e motos.

b) Profissional: integra grupo criminoso organizado, com liderança e hierarquia definida. Agem em conjunto e com planejamento.

c) Desequilibrado: alijado da sociedade por causa de drogas pesadas, principalmente o crack, vive pela droga e por isso pode agir de forma intempestiva e agressiva, chegando a matar, sem nenhum tipo de remorso ou preocupação com as consequências de seus atos. Age pelo impulso da necessidade de manter o vício. Tem total descontrole emocional.

JORGE LORDELLO

 


Dê sua opinião