LORDELLO EXPLICA PORQUE OS EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA INSTALADOS EM PRÉDIOS QUEBRAM TANTO

Quem mora em prédio sabe que alguns equipamentos de segurança costumam apresentar problemas tais como: Defeito no funcionamento dos portões de pedestres e de garagem, principalmente; CFTV – câmeras de segurança param de funcionar ou imagens não são nítidas; Falso disparo de alarme perimetral; Biometria...

247

Quem mora em prédio sabe que alguns equipamentos de segurança costumam apresentar problemas tais como:

  • Defeito no funcionamento dos portões de pedestres e de garagem, principalmente;
  • CFTV – câmeras de segurança param de funcionar ou imagens não são nítidas;
  • Falso disparo de alarme perimetral;
  • Biometria que trava ou não funciona.

Levantei esse tema em palestra que ministrei para síndicos na cidade de Curitiba/PR, pois alguns dos participantes relataram que em razão das quebras frequentes dos portões das garagens, os prédios ficavam vulneráveis.

Deixei o público falar um pouco sobre o tema para obter opiniões a respeito. Curiosamente, a maioria entendia que a parada repentina de portões automáticos seria algo para se conviver, mesmo porque não haveria solução. Eles acreditavam que em razão dos inúmeros acionamentos diários, a quebra seria impossível de ser evitada.

Afirmei ser ledo engano tal raciocínio e fiz a seguinte afirmação:

“ Portões automáticos não param se tiverem a devida manutenção ”.

Apesar do som abafado, as intensas conversas entre os participantes demonstrava não acreditarem em minha colocação.

Mesmo assim, continuei:

“ Portões automáticos com qualidade, instalados de forma correta e com a devida manutenção semanal, não param de uma hora para outra. Vejam as máquinas de fábricas que funcionam 24h por dia e que dificilmente apresentam defeitos. Outro exemplo são automóveis cujos proprietários cuidam com zelo, de acordo com as regras do fabricante; raramente deixam o motorista na mão ”.

Alguns participantes começaram a mudar de ideia, mas muitos ainda relutavam. Então, resolvi apertar o cerco:

“ Com o intuito de fazer economia, muitos síndicos largam a manutenção dos portões nas mãos do zelador, que apesar de ter boa vontade, entende pouco sobre esse tipo de serviço. Muitas vezes, o problema é estrutural, e sendo assim, as paralisações serão constantes ”.

Nesse momento do evento, um síndico que estava sentado bem na frente levantou a mão, pediu a palavra e ofertou depoimento interessante:

“ Lordello, você tem toda razão no que está falando. Sou síndico no meu edifício há 6 anos. No primeiro ano de administração eu ficava muito aborrecido com as quebras dos portões da garagem, o que gerava muito estresse entre os moradores, além de expor a segurança do prédio. Resolvi então contratar empresa especializava em portões para ter diagnóstico do equipamento. Eles levantaram erros absurdos e propuseram substituição e contrato de manutenção. Resolvi apostar nessa empresa e o resultado foi excepcional; há 5 anos não tenho uma quebra sequer ”.

O mais engraçado, é que os síndicos que estavam ao lado, surpresos com o relato, imediatamente pediram o contato da empresa especializada em portões.

Síndicos não podem colocar em risco a segurança dos locais que administram porque optaram por ações caseiras ou amadoras. Esse tipo de economia não é inteligente.

O “ quebra galho ” ou “ jeitinho ” para promover conserto ou manutenção de equipamentos, pode gerar a curto ou médio prazo consequências lamentáveis quanto a segurança do local.

 

JORGE LORDELLO

 

 

 


Dê sua opinião